Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Manta das temperaturas - V

Tem estado a ser difícil...
Houve aí umas semanas que não deu vontade de olhar para a manta, quanto mais tocar-lhe, mas mal ou bem, tenho conseguido mantê-la em dia.

Já lá vão, quê?, três cinco meses que não actualizo o estado da manta?

A última carreira apresentada corresponde ao dia 13 de Setembro.
Mensagens recentes

Agulhas ao rubro

Já deve ter acontecido a mais alguém.  Comprar uma lã espectacular, meses depois começar uma camisola linda, ficar sem lã e descobrir que o produto foi descontinuado.
Resultado: camisola arquivada.
Também deve haver quem tenha resolvido, em verdes anos, iniciar uma camisola sem utilizar qualquer esquema ou indicações.  Só tricotar pelo desporto, torcidos lindos, com parcos conhecimentos e acabar com uma camisola disforme e disfuncional.
Resultado: camisola arquivada.
Eu podia continuar neste registo, mas já vimos onde isto nos ia levar.
Quando decidimos embarcar na contenção em relação à compra de materiais de artesanato, seja lã, linha ou um simples prego, convém avaliar o que temos em arquivo.
Arquivada à décadas andava uma camisola em mohair, pérola e um azul céu matizado. Toda desmanchada, sem dó nem piedade, para avaliar a quantidade obtida.
Já andava de olho numa camisola com manga raglan, com o fundo arredondado, para mim uma novidade, já que nunca tricotei nesse formato.
Acaba…

Coelhinhos

Acho que foi em Julho que me aventurei a fazer estes amiguinhos.
De início a ideia era fazer um para experimentar, mas depois vi-o ali tão sozinho que lhe fiz um parceiro.
Chama-se Honey Bunny, da artesã Yvonne Boucher, e podem encontrar as instruções para download aqui: http://www.ravelry.com/patterns/library/honey-bunny

Não tenho bem a certeza, mas acho que utilizei agulhas nº3, tanto circulares como de ponta dupla (a sério, alturas houve que parecia um pesadelo de agulhas nas minhas mãos). O fio... uma grande misturas de restos de novelos de outros trabalhos. Se não fizesse os coelhinhos o mais certo era começar outra manta...
As primeiras roupinhas...
As instruções do vestido estão junto com as instruções do coelhinho. A outra fatiota já foi invenção minha.

Já com a face composta, as malandrecas mostram a roupa interior (o modelo castanho faz parte das instruções, a cor de rosa fiz em crochet, mas as medidas são as mesmas).
 Fantástico!
 Já devem ter reparado que o guarda-roupa já…

Ausência...

Ausência... não é inércia!

Após umas longas semanas em que o tempo de facto não esticou, estou de regresso, mas ainda sem fotos de qualquer coisa que tenha criado.
A seu tempo, que agora é tempo de me reorganizar.


Até já!

Vou ali ao pão... mas cheia de estilo!

Vá, digam lá...
"Ah e tal, o "pipol" já se deixou de trapilhos e agora começas tu".
Eu sou do contra, já deviam saber...

 Agulhas de tricot nº 12, daquelas a que a meio do trabalho não estamos a tricotar, mas sim a fazer halterofilismo...

Faça-se sombra!

Com a chegada do sol, começou a tornar-se imperativo criar uma sombra no local onde mais gosto de estar.
Não queria um cortina apenas de tecido, pelo que me dediquei a pesquisar  o que poderia haver que fosse de encontro às minhas necessidades/gostos.
Encontrei um caminho de mesa perfeito, em bambu.
O único senão... a pouca largura para a porta em questão.
Nada que umas tiras de tecido não resolvessem. Mais uma vez, o único senão... Parti duas agulhas na vã tentativa de fazer as costuras por cima do bambu. As tiras foram pregadas à mão. Sim, isso mesmo. Conseguem ver a linha cor de laranja? Pois...
Infelizmente alguns cálculos correram mal, mas nada que um patch em crochet não resolvesse...
Para a colocar no local, muni-me de pregos, martelo e outras peças que não sei o nome, apenas que me dão jeito :)
A cortina foi agrafada na ripa de madeira. Nessa ripa preguei uns triângulos, dos que se usam nas molduras e na estrutura de madeira, uns ganchos.
Assim, posso retirar a cortina sempre …

Banqueta reciclada

Começa-se por se juntar restos de lãs e desmanchar também alguns trabalhos inacabados e/ou frustrados.

Depois de escolhido o ponto, foi só começar a crochetar...

A impaciência levou-me a unir logo ao início as laterais e também a formar logo a estrela:
Continuei a crochetar até à altura pretendida, momento em que tive de "tamponar" um dos topos. Umas simples rodelinhas em ponto baixo.
Agora a firmeza da banqueta, pois não quero sentar-me e descobrir-me estatelada no chão.
Foi um sacrifício, ter estes três vazios para executar a tarefa...
Após colocar uma placa de espuma (que um dia foi assento de cadeira de cozinha) no fundo já "tamponado" de crochet, encaixei estes simpáticos barris.
Ora para a banqueta não ficar triangular, preenchi os espaços vazios com o enchimento de umas almofadas que já tinham falecido...
A seguir uma outra placa de espuma (de origem idêntica), para não ficar com marcas quando me sentar... :D
Costurei a estrela e preenchi o buraco com mais u…